sábado, 2 de outubro de 2010

Bilhete a um inimigo

Encontrei dia desses, num banco de praça, bilhete que havia esquecido num canto de minhas gavetas. Pelo inusitado, publico:

Caro Inimigo,

Sou muito grato pelas suas atenções e ensinamentos. Com você aprendi a me defender e a me descobrir exatamente o oposto do que você diz de mim. Prometo que irei ao seu enterro. E vou chorar...
Paulo (...)
Abaixo, texto do jornal colombiano El País, em que se analisa a sucessão brasileira e se diz: Nadie en Brasil quiere estar ni en la derecha ni tan siquiera en el centro-derecha.La clase C, los 30 millones de brasileños que han salido en los últimos 10 años de la pobreza extrema, decidirá hoy quién sucede al presidente más popular de su historia, Lula da Silva, y quién recoge su herencia. Ellos son los hombres y mujeres que mantienen una economía muy modesta, pero que han podido, por primera vez, abrir una cuenta corriente, acceder a un pequeño crédito o comprar a plazos una nevera o una lavadora, la auténtica imagen de este nuevo Brasil que el resto del mundo mira con expectación y deslumbramiento.

La 'clase C' decide el futuro de Brasil
SOLEDAD GALLEGO-DÍAZ - Brasilia




"No hay un país en el mundo que tenga tanta certeza en su futuro como Brasil". Lo dijo Lula, pero todos los analistas políticos coinciden en que la estabilidad económica y política de la que disfruta Brasil desde hace casi 15 años ha extendido entre la inmensa mayoría de los ciudadanos la idea de que todos los problemas se pueden tratar y en que todos pueden encontrar solución.

Clovis Rossi, uno de los periodistas más prestigiosos del país, lo describió así: "Gente con apariencia más humilde, ropas más sencillas, color menos blanco, visita por primera vez el centro comercial más cercano a mi casa, en Río, un local no de élite, sino de clase media. Están ahí no solo para mirar, sino para comprar".

Esa indefinida impresión de sentirse bien es la que hace que Lula deje la presidencia (no puede presentarse a un tercer mandato) con un 80% de popularidad y que sea su candidata, Dilma Rousseff, una antigua guerrillera marxista leninista, reconvertida en economista y luego en el equivalente a su jefe de Gabinete, quien tenga todas las posibilidades de ganar. Brasil confía en su propio mercado interno tanto como en las exportaciones y está seguro de poder mantener un ritmo de crecimiento económico más acelerado del que ha mantenido hasta ahora (entre un 4% y un 5% anual a lo largo de los últimos ocho años).

La única interrogante hoy domingo es si Rousseff logrará proclamarse en primera vuelta o si tendrá que acudir a una segunda votación. Lo que todos los sondeos dejan claro es que nadie, ni el ex gobernador de São Paulo José Serra, ni la ex ministra Marina Silva, del Partido Verde, se acercan siquiera a la heredera de Lula. Lograr ganar directamente sería un hecho sin precedentes, ya que ni el propio Lula logró nunca evitar esa segunda ronda.

Brasil es un país enorme (el quinto del mundo en extensión y en población) y hoy deberían votar nada menos que 136 millones de personas, de una población total de cerca de 192 millones. La clase C no supone la mayoría del país, pero sí es la que ha logrado algo formidable: que prácticamente la mitad de los brasileños (49,2%) integre ya la clase media y concentre el 46% de la renta, según el último estudio de la Fundación Getulio Vargas. Hace siete años, en 2003, eran solamente el 37,5% de la población.

Otro de los milagros brasileños es que esa clase media y media baja ya no se encuentra solo en los Estados más ricos, como São Paulo, Río de Janeiro o Brasilia (las tres ciudades que hasta ahora han representado casi exclusivamente a Brasil en el mundo de los negocios).

El optimismo ha llegado por primera vez al pobrísimo noreste (del que salió el propio Lula) y ahora ya no es posible hablar de Brasil sin referirse también a Recife (Pernambuco) o a Fortaleza (Ceará) y, por supuesto, a Bahía, que se han convertido en importantes destinos turísticos (Iberia inaugurará el próximo mes vuelos directos con Recife). Imposible pensar ahora en el futuro de Brasil sin tener en cuenta también a Belo Horizonte, la capital del gran Estado de Minas Gerais, del que saldrá muy probablemente el político que va a representar mejor a la oposición frente a Rousseff, o incluso ante el propio Lula: Aecio Neves, del Partido de la Social Democracia Brasileña (PSDB), el ex gobernador del Estado, abandona su cargo también con niveles increíbles de popularidad: cerca del 70%.

El Brasil que deja Lula se siente optimista, pero sigue teniendo graves problemas. El primero es que más del 40% de la población está todavía en la pobreza más absoluta y sobrevive en buena parte gracias a las pequeñas subvenciones del Plan Bolsa Familia, destinado a lograr el objetivo de Hambre Cero.

El segundo problema es la necesidad de mejorar rápidamente la calidad de la educación que reciben los hijos de esa nueva clase C, seguido muy de cerca por la lucha contra la corrupción, la mejora en las infraestructuras y la reforma de la fiscalidad.

Son quizás esos problemas, y el convencimiento de que se ha dado con la fórmula para terminar resolviéndolos, los que han convertido el panorama brasileño en algo muy particular en América Latina: todo el espacio político está ocupado por ofertas moderadas de centro-izquierda.

La oposición que acude hoy a las urnas está representada por un político de larga tradición socialdemócrata, José Serra, y por una dirigente ecologista que formó parte de los Gobiernos de Lula. Nadie en Brasil quiere estar ni en la derecha ni tan siquiera en el centro-derecha.



Imagem: http://www.google.com/imgres?imgurl=http://2.bp.blogspot.com/_nIhHylcueUs/SbrgLBBR6kI/AAAAAAAAX7k/TzlKUpq_frA/s320/dilma%2Blula%2Bsorrindo.jpg&imgrefurl=http://desabafopais.blogspot.com/2009/03/lula-e-dilma-nao-fizeram-propaganda.html&usg=__4E_QlVzQ6DXZMfYuEMt1Qj_aabM=&h=290&w=290&sz=19&hl=en&start=27&sig2=leYPjIgwTOz5IFX851qGIA&zoom=1&tbnid=Q_EK6EswucW67M:&tbnh=124&tbnw=118&ei=Bc2nTPbJIYW0lQfmzpWTDg&prev=/images%3Fq%3Dlula%2Be%2Bdilma%26um%3D1%26hl%3Den%26safe%3Doff%26sa%3DN%26biw%3D1003%26bih%3D562%26tbs%3Disch:1&um=1&itbs=1&iact=rc&dur=359&oei=9synTMqeJsHflgfJ5ei4DA&esq=3&page=3&ndsp=15&ved=1t:429,r:8,s:27&tx=56&ty=55


Faces Faces Faces Faces Faces Faces Faces Faces Faces Faces

Catherine Deneuve
Al Caparra, o gangster chic

O ridículo grotesco

Serra faz a dança do pinico. Um homem público em busca de uma privada
Emanoel Barreto

O filósofo cínico Diógenes costumava caminhar ao meio-dia levando uma tocha acesa. Quando indagado a respeito do comportamento que mais se assmelhava à loucura respondia: "Estou procurando um homem de bem". A essência da filosofia cínica, que muitas vezes se manifetasva numa práxis de enfrentamento com o estatuído, era essa: austeridade e uma visão trágica da existência humana, o que de alguma forma inclui o ridículo, usado para criticar a hipocrisia, como fazia Diógenes.

Com o passar dos tempos o termo cínico passou a designar, por uma espécie de semântica equivocada, o índivíduo aproveitador, aquele que ri da honradez em proveito próprio, aquele que inverte a realidade para dela tirar proveito mesmo à custa da sua própria desgraça. 

É o que vemos nessa foto de Serra encimando a primeira página da Folha. Ao lado de Alckmin faz a lamentável "dança do Pânico", expondo-se ambos a deplorável momento de suas vidas. Esse tipo de manifestação de dança urbana, bem típica de um certo senso comum, certamente não faz parte da vida dos dois. 

Todavia, aceitam essa humilhação sorridentes, catando aqui e acolá supostos votos por tentarem se dizer "iguais ao povo" quando este se manifesta em atos de grosseria, vulgaridade e baixeza.

Basta trocar uma letra e temos a dança do pinico.
E em busca de um pinico Serra mostra a quanto um homem público pode se abaixar. É o ridículo grotesco em sua máxima manifestação. Um homem público em busca de uma privada.

Corrupção antes da eleição: liga pro celular
Emanoel Barreto

Nos últimos três dias tenho sido assediado por candidatos à procura de votos. Pessoas que sequer conheço além de candidatos mais conhecidos têm conhecimento do número do meu celular e me mandam mensagens garantindo que são os melhores, que pelo condão de suas mãos mágicas o país será levado a uma idade de ouro e a um tempo feliz.

Algo de podre, muito podre, está acontecendo no reino dessa dinamarca: pessoas com acesso às listas de telefones celulares sem dúvida estão ganhando dinheiro ao comercializar esse tipo de informação.

O Tribunal Regional Eleitoral, o Ministério Público deveria dar início a uma investigação a fim de descobrir como está funcionando essa ou essas quadrilhas.

É mais uma prova do jeitinho brasileiro. Todos os envolvidos sabendo que não serão punidos.

Depois de perder a eleição Índo do Serra já tem planos para o futuro. Veja em O Pixador

O Pixador


Este é o bar favorito do Velho Barreto

 
Após votar ou na volta da praia, almoce conosco e curta o visual do Morro do Careca e Via Costeira. Teremos camarão e filet mignon, dentre outras opções.
O Insonia Bar fica no Mercado de Ponta Negra, 1º andar, Av. Eng. Roberto Freire, 3111, em frente ao Hotel Quality Suítes.




É talvez o último dia da minha vida

É talvez o último dia da minha vida.
Saudei o Sol, levantando a mão direita,
Mas não o saudei, dizendo-lhe adeus,
Fiz sinal de gostar de o ver antes: mais nada.

Alberto Caeiro
Heterônimo de Fernando Pessoa)
Al Caparra, o gangster chic

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Dou início hoje a uma série de publicações a respeito do Padre Heuzs, que após ter uma visão da Morte dedicou-se a matar criminosos numa favela. O personagem é produto da minha imaginação e não tem qualquer relação com pessoas vivas ou mortas

Crês em Deus, filho?
Emanoel Barreto

Heuzs. Petrus Apolonius Heuzs. Filho de classe média alta, desde cedo revelara vocação religiosa e dizia que ia ser médico. Do seminário para a faculdade aos 27 anos já era padre e médico. Inteligência aguda, leitor fervoroso, temperamento solar e carismático. Pediu e recebeu de seus superiores a missão de trabalhar numa favela; a maior, a mais perigosa, a mais abandonada pelos poderes públicos: a Favela do Remorso, conurbada à Favela do Raio, onde o tráfico e as quadrilhas disputavam palmo a palmo território e poder.

Heuzs fundou e dirigia o Dispensário José e Maria, onde atendia com perícia incomum os casos mais diversos: desde o menino doente da gripe mais tola, às situações mais graves: ferimentos a bala, facadas, membros dilacerados. Como os recursos eram poucos, mobilizava ajudas vindas de onde viessem; desde a doação do traficante mais brutal aos recursos provenientes de entidades de assistência públicas ou privadas. Mantinha em funcionamento a Rádio Coragem, com programação que ia até meia-noite. Ali a programação era toda feita por equipe de jovens que incentivava a solidariedade. Ali se contavam histórias de vida, faziam-se apelos em favor de famílias desabrigadas, tocavam-se músicas dos compositores da favela.

Heuzs trabalhava em parceria obsequiosa com o padre José Maurício Santos, 70 anos, seu mentor e confessor. E trabalhava de tal forma que conseguia transitar da mais honrada e pobre família às salas mais sombrias dos chefes do tráfico. Essa a sua grande vantagem: todos, à sua maneira, gostavam de Heuzs, o padre-menino, o padre-santo. Reunia em uma só pessoa o místico que orava e o médico que curava. E foi disso que se muniu para dar início à sua vilegiatura de revolta contra o que estava errado, contra o crime e os criminosos, a violência dos poderosos da marginalidade contra os pobres que não tinham coragem ou, se tinham, não podiam se defender. Os pobres não tinham afeição às armas, ao contrário de Heuzs, acostumado com o bisturi, sua arma de salvação de vidas, que viria a se transformar em arma de vingança.


Tudo começou quando Heuzs teve um encontro com a Morte. Certa noite, na humilde casa em que morava, assistindo na pequena TV em preto-e-branco a programa já noite alta, Ela entrou e lhe disse: “Heuzs, tens uma missão.” E ele respondeu: “Já o sabia.” Ela continuou: “Tua missão é salvar vidas.” Ele disse: “Eu o sei.” A Morte respondeu: “Salvarás vidas em detrimento de vidas.” Heuzs questionou: “Como assim? Sou padre e médico.” A resposta: “As boas vidas, Heuzs, tu as protegerás; mas, as más vidas, as vidas ímpias, tu as tirarás para que as boas vidas possam vicejar e crescer. Crês em Deus, filho?” Heuzs aquiesceu: “Sim.” Ela continuou: “Se é assim cumprirás o que eu, a Morte, te determinar. E saberás que estás seguindo o bom caminho. Vai a mata em nome da vida.”

A Morte se esfumaçou e Heuzs então perdeu os sentidos; mas, dia seguinte, uma névoa densa encobria o seu olhar e ele se sentia disposto a dar início à missão revelada pela estranha visitante.


(Continua)



FACES FACES FACES FACES FACES FACES FACES FACES

Gina Lollobrigida
Transcrevo editorial de "El País", Colômbia, a respeito da tentativa de golpe no Equador. (EB)
Intentona en Ecuador

Una compleja situación enfrenta Ecuador por cuenta de lo ocurrido ayer, cuando una insurrección de la Policía llevó al ataque con gases lacrimógenos -y posterior retención- al presidente Rafael Correa, quien finalmente fue liberado. La huelga de los uniformados generó caos en el país vecino con saqueos y robos en las ciudades principales, que condujeron a la declaración del estado de excepción y la militarización del territorio.



La causa de lo sucedido fue la aprobación, por la Asamblea Nacional, de la Ley de Servicio Público, que desmonta el generoso régimen de beneficios del que gozan hoy miles de funcionarios del Estado, incluyendo a hombres y mujeres que portan el uniforme. Desde hace rato, el inquilino del Palacio de Carondelet quiere acabar con los privilegios que ostentan ciertos empleados de la nómina oficial, pero, como lo demuestran los acontecimientos, llegar a una solución fácil es imposible.

Más allá de la razón que le asiste, el Jefe del Estado ecuatoriano ha hecho más difícil la crisis por cuenta de su estilo imperioso y, en ocasiones, impulsivo. Esa característica ha llevado a cierto distanciamiento entre el mandatario y algunos de los congresistas que integran la bancada de gobierno, que se han aliado con la oposición. De hecho, la protesta policial se da en momentos en que la Presidencia amenaza con disolver el Poder Legislativo por el lento trámite de las iniciativas y así gobernar por decreto y convocar a elecciones anticipadas. Como si eso fuera poco, hay quienes pescan en río revuelto, como el principal antagonista de Correa, el ex presidente Lucio Gutiérrez, con una gran ascendencia sobre las Fuerzas Armadas.

Pero, sin entrar a debatir los detalles o errores que se hayan podido cometer en el manejo de un tema tan difícil, es indudable que en Ecuador no hay un camino diferente al de preservar las instituciones democráticas. Así lo entendieron ayer y con rapidez el mundo entero y los países del hemisferio, como lo dejó en claro un pronunciamiento de la OEA, después de una convocatoria de emergencia de su Consejo Permanente. También fueron apropiados la respuesta de Unasur y el comunicado de la Casa de Nariño, llevado personalmente por Juan Manuel Santos a Buenos Aires, al expresar que Colombia solamente reconoce al gobierno de Rafael Correa.

Hechas esas precisiones, además de los votos para que la normalidad regrese pronto a ciudades y pueblos ecuatorianos, hay que lamentar la emergencia. El motivo principal es que la llegada del actual Jefe del Estado al poder vino acompañada de una buena dosis de estabilidad, fundamental en una nación en la que varios mandatarios no pudieron terminar sus respectivos periodos. De hecho, Ecuador ha sido testigo de tres golpes de Estado y seis mandatarios en los últimos diez años. Ahora se da un paso atrás, que no tiene nada de bueno, aparte de abrir heridas que pueden demorar varios meses en cerrarse, algo inconveniente en una sociedad que sufre los embates de la recesión global y una oleada de inseguridad considerable.


Tampoco es alentador el nuevo traspié que sufre la democracia en la región. Después del golpe en Honduras, que todavía divide a los países del continente, o de los intentos de varios presidentes de perpetuarse en el cargo y alterar el equilibrio de los poderes públicos, lo sucedido en Ecuador es un campanazo de alerta que necesita ser escuchado. Ojalá esta crisis sirva para que los pueblos de América Latina cierren filas en contra de las vías de fuerza y reiteren que, a pesar de sus imperfecciones, la democracia todavía encuentra un terreno fértil en el hemisferio.



Transcrevo artigo de Leonardo Boff a respeito do processo eleitoral para a presidência da República. (EB)
 A mídia comercial em guerra




Leonado Boff*

Sou profundamente a favor da liberdade de expressão, em nome da qual fui punido com
o “silêncio obsequioso”pelas autoridades do Vaticano. Sob risco de ser preso e
torturado, ajudei a editora Vozes a publicar corajosamente o “Brasil Nunca Mais”
onde se denunciavam as torturas, usando exclusivamente fontes militares, o que
acelerou a queda do regime autoritário.

Esta história de vida me avaliza a fazer as críticas que ora faço ao atual
enfrentamento entre o presidente Lula e a midia comercial, que reclama ser tolhida
em sua liberdade. O que está ocorrendo já não é um enfrentamento de idéias e de
interpretações e o uso legítimo da liberdade da imprensa. Está havendo um abuso da
liberdade de imprensa que, na previsão de uma derrota eleitoral, decidiu mover uma
guerra acirrada contra o presidente e a candidata Dilma Rousseff. Nessa guerra vale
tudo: o factóide, a ocultação de fatos, a distorção e a mentira direta.

Precisamos dar o nome a esta mídia comercial. São famílias que, quando vêem seus
interesses comerciais e ideológicos contrariados, se comportam como famiglia
mafiosa. São donos privados que pretendem falar para todo o Brasil e manter sob
tutela a assim chamada opinião pública. São os donos do Estado de São Paulo, da
Folha de São Paulo, de O Globo, da revista Veja, na qual se instalou a razão cínica
e o que há de mais falso e chulo da imprensa brasileira. Estes estão a serviço de um
bloco histórico, assentado sobre o capital que sempre explorou o povo e que não
aceita um presidente que vem deste povo. Mais que informar e fornecer material para
a discussão pública, pois essa é a missão da imprensa, esta mídia empresarial se
comporta como um feroz partido de oposição.

Na sua fúria, quase desesperados e inapelavelmente derrotados, seus donos,
editorialistas e analistas não têm o mínimo respeito devido à mais alta autoridade
do pais, ao presidente Lula. Nele vêem apenas um peão a ser tratado com o chicote da
palavra que humilha.

Mas há um fato que eles não conseguem digerir em seu estômago elitista. Custa-lhes
aceitar que um operário, nordestino, sobrevivente da grande tribulação dos filhos da
pobreza, chegasse a ser presidente. Este lugar, a Presidência, assim pensam, cabe a
eles, os ilustrados, os articulados com o mundo, embora não consigam se livrar do
complexo de vira-latas, pois se sentem meramente menores e associados ao grande jogo
mundial. Para eles, o lugar do peão é na fábrica, produzindo.

Como o mostrou o grande historiador José Honório Rodrigues (Conciliação e Reforma)
“a maioria dominante, conservadora ou liberal, foi sempre alienada,
antiprogresssita, antinacional e nãocontemporânea. A liderança nunca se reconciliou
com o povo. Nunca viu nele uma criatura de Deus, nunca o reconheceu, pois gostaria
que ele fosse o que não é. Nunca viu suas virtudes nem admirou seus serviços ao
país, chamou-o de tudo, Jeca Tatu, negou seus direitos, arrasou sua vida e logo que
o viu crescer ela lhe negou, pouco a pouco, sua aprovação, conspirou para colocá-lo
de novo na periferia, no lugar que contiua achando que lhe pertence (p.16)”.

Pois esse é o sentido da guerra que movem contra Lula. É uma guerra contra os pobres
que estão se libertando. Eles não temem o pobre submisso. Eles têm pavor do pobre
que pensa, que fala, que progride e que faz uma trajetória ascedente como Lula.
Trata-se, como se depreende, de uma questão de classe. Os de baixo devem ficar em
baixo. Ocorre que alguém de baixo chegou lá em cima. Tornou-se o presidente de todos
os brasileiros. Isso para eles é simplesmente intolerável.

Os donos e seus aliados ideológicos perderam o pulso da história. Não se deram conta
de que o Brasil mudou. Surgiram redes de movimentos sociais organizados, de onde vêm
Lula e tantas outras lideranças. Não há mais lugar para coronéis e de “fazedores de
cabeça” do povo. Quando Lula afirmou que “a opinião pública somos nós”, frase tão
distorcida por essa midia raivosa, quis enfatizar que o povo organizado e consciente
arrebatou a pretensão da midia comercial de ser a formadora e a porta-voz exclusiva
da opinião pública. Ela tem que renunciar à ditadura da palavra escrita, falada e
televisionada e disputar com outras fontes de informação e de opinião.

O povo, cansado de ser governado pelas classes dominantes, resolveu votar em si
mesmo. Votou em Lula como o seu representante. Uma vez no governo, operou uma
revolução conceptual, inaceitável para elas. O Estado não se fez inimigo do povo,
mas o indutor de mudanças profundas que beneficiaram mais de 30 milhões de
brasileiros. De miseráveis se fizeram pobres laboriosos, de pobres laboriosos se
fizeram classe média baixa e de classe média baixa de fizeram classe média.

Começaram a comer, a ter luz em casa, a poder mandar seus filhos para a escola, a
ganhar mais salário, em fim, a melhorar de vida.
Outro conceito inovador foi o desenvolvimento com inclusão social e distribuição de
renda. Antes, havia apenas desenvolvimento/crescimento, que beneficiava aos já
beneficiados à custa das massas destituidas e com salários de fome. Agora, ocorreu
visível mobilização de classes, gerando satisfação das grandes maiorias e a
esperança que tudo ainda pode ficar melhor. Concedemos que no governo atual há um
déficit de consciência e de práticas ecológicas. Mas importa reconhecer que Lula foi
fiel à sua promessa de fazer amplas políticas públicas na direção dos mais
marginalizados.

O que a grande maioria almeja é manter a continuidade deste processo de melhora e de
mudança. Ora, esta continuidade é perigosa para a mídia comercial que assiste,
assustada, o fortalecimento da soberania popular que se torna crítica, não mais
manipulável e com vontade de ser ator dessa nova história democrática do Brasil.
Vai ser uma democracia cada vez mais participativa e não apenas delegatícia. Esta
abria amplo espaço à corrupção das elites e dava preponderância aos interesses das
classes opulentas e ao seu braço ideológico, que é a mídia comercial. A democracia
participativa escuta os movimentos sociais, faz do Movimento dos Sem Terra (MST),
odiado especialmente pela Veja (que faz questão de não ver…), protagonista de
mudanças sociais não somente com referência à terra mas também ao modelo econômico e
às formas cooperativas de produção.

O que está em jogo neste enfrentamento entre a midia comercial e Lula/Dilma é a
questão: que Brasil queremos? Aquele injusto, neocolonial, neoglobalizado e no
fundo, retrógrado e velhista? Ou o Brasil novo com sujeitos históricos novos, antes
sempre mantidos à margem e agora despontando com energias novas, para construir um
Brasil que ainda nunca tínhamos visto antes.

Esse Brasil é combatido na pessoa do presidente Lula e da candidata Dilma. Mas estes
representam o que deve ser. E o que deve ser tem força. Irão triunfar a despeito das
má vontade deste setor endurecido da midia comercial e empresarial. A vitória de
Dilma dará solidez a este caminho novo ansiado e construído com suor e sangue por
tantas gerações de brasileiros.

*Leonardo Boff é teólogo, filósofo, escritor e representante da Iniciativa
Internacional da Carta da Terra.




Recebop e publico texto de Maurício Mota, a respeito do II Festival de Teatro no Rio Grande do Norte

*Definições definitivas?*

No último dia 22 de setembro fui até o Teatro Alberto Maranhão pensando em
inscrever dois de meus trabalhos de dança-teatro, “*Sente-se*” e “*Experimento

nº1*”, produzidos pela [sí-la-bAs] *c. dança* no II Festival Agosto de

Teatro, promovido pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte, através da

Fundação José Augusto. Para minha surpresa, fui impedido de fazê-lo sob a

alegação de que a palavra “Dança”, presente na definição da forma artística

utilizada na concepção e realização destes trabalhos, impedia

automaticamente a possibilidade de, sequer, apresentá-los a curadoria do

festival. O mesmo aconteceu com o projeto MOBILIDADE - grupo de pesquisa e

experimentos em dança e teatro, que tentou inscrever seu trabalho “*Incolor*”.






Eu pensei estar em uma máquina do tempo. De repente estávamos no século 19.

Velhos preconceitos e visões arcaicas sobre a dança, e sobre o próprio

teatro, surgiam na minha frente como se o mundo tivesse parado de girar a,
pelo menos, 100 anos.


Frases como: “Quando for um festival de dança, então você pode se
inscrever!”, ou, pior ainda, “A dança não possui estrutura dramática e por
isso não pode ser considerada teatro!” foram ditas tranquilamente. Antes que
alguém dissesse: “A terra é plana!”, eu fui embora.


Natal tem hoje, dentro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte,
cursos de licenciatura em dança e teatro e a relação híbrida entre estas
duas formas artísticas, um dos elementos primordiais na dança-teatro, são
discutidas e aprofundadas todos os dias. Infelizmente, ao que parece, esta
discussão ainda não chegou aos ouvidos daqueles que gerem, ou digerem, a
cultura local.

Uma obra como “Café Müller”, de Pina Bausch, considerado um dos mais
importantes e revolucionários trabalhos teatrais da 2ª metade do sec. XX,
provavelmente seria excluída do festival, por não ter texto, por não haver
alguém “falando” em cena.

Hoje a troca de informações e experiências tornou-se muito mais forte e
extremamente relevante na produção artística em todos os cantos do mundo.
Infelizmente parece que alguns preferem não ouvir, não saber.


Talvez eu devesse ter chamado meus trabalhos de “Teatro coreográfico” (seria
uma pegadinha e tanto).

Parabéns a todos os trabalhos selecionados, muito sucesso a todos os grupos,
atores e diretores e espero que encontrem uma grande e calorosa recepção por
parte do público. Estamos torcendo por vocês.

Mauricio Motta
Diretor Artístico
[sí-la-bAs] c.dança
http://silabascdanca.blogspot.com/
silabascdanca@yahoo.com.br
Al Caparra, o gangster chic

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Uma parede de água, um homem em meio ao oceano imenso

A foto foi publicada na edição de hoje do Daily Mail, jornal inglês voltado para faits divers, o noticiário de entretenimemento, e notícias sensacionalistas. Mas a imagem é suficientemente poderosa, estética e discursivamente e a reproduzo aqui.
..........

Abaixo, infotainment, relatando happening promovido pela cantora Lady Gaga.

Com traje de pêlos, Lady Gaga aparece em bar de Nova York


Portal Terra

A diva pop Lady Gaga tem o hábito de aparecer de surpresa em pequenos bares, e nesta quarta-feira 929)o escolhido foi o Oak Room, em Nova York. Ela chegou ao bar com pouca roupa: uma meia-calça arrastão, coberta por uma espécie de casaco de pêlos e vários colares, o que levou o tabloide inglês Daily Mail a chamar o estilo de "mulher das cavernas".

Sem maquiagem, mas com um vestido no estilo "mulher das cavernas", Lady Gaga apareceu de surpresa em bar novaiorquino. Foto: Daily Mail/ReproduçãoGaga cantou três músicas para o surpreso público do Oak Room, Segundo o Daily Mail, um porta-voz do bar disse que ela apareceu porque é amiga de Brian Newman, o músico que costuma se apresentar às quartas-feiras no local.

"Não foram vendidos ingressos. Ela ficou no bar por cerca de uma hora e não foi permitido tirar fotos. Membros da equipe dela ficaram apontando lanternas para quem tentasse fotografar", disse.

Apesar do traje exótico, Gaga economizou na maquiagem e usou o cabelo solto e natural, sem perucas ou chapéus. O tabloide disse que o estilo extravagante da cantora tem chamado a atenção do estilista italiano Giorgio Armani, que pode assinar looks para os próximos shows da turnê Monster Ball. Rumores dizem que ela está negociando um contrato milionário com o estilista.
Al Caparra, o gangster chic

Série Faces

Pola Negri
 A cara do povo é a cara do voto
Emanoel Barreto


Sempre foi possível votar com qualquer documento de identificação. Então, veio a intentona de obrigar-se o eleitor a votar somente se apresentasse dois documentos, um com foto. Mas agora há pouco o Supremo Tribunal Federal decidiu por 8 a 2 que basta um documento com foto para votar. 

A cara do povo precisa aparecer. Aparecer no voto e aparecer no jornal, dizendo como o povo é. Pode até não agradar, mas, fazer o quê?

Sônia Braga, a deusa vencida
Emanoel Barreto

Li ao acaso matéria em recente edição da Istoé com Sônia Braga. Não pela primeira vez em entrevistas com ela percebi um tom de elegia, um lamento, um carpir, uma perplexa pergunta: por quê? 

O que aconteceu com a mulher bonita, frequentadora das páginas de revistas de nudez, a faceira e maliciosa Gabriela, a mulher que era sensualidade pura, expressando como ninguém a lubricidade mestiça do samba e do lundu, um pé no no vídeo outro na senzala avoenga? Tão poderosa que contracenou com Marcello Mastroiani vivendo exatamente... Gabriela? Então era o sonho, a felicidade, as telas, a ilusão feliz...

Não conheço bem a biografia de La Braga, mas sei que ela passou. Passou como passam todas as celebridades, especialmente aquelas que vivem do físico, da sexualidade, do discurso do corpo. Ao que parece, pensou que teria nos Estados Unidos idêntico tratamento àquele aqui recebido: olhos masculinos gulosos, à cata de lances de beleza em decotes ou cruzadas de perna. 

Nada disso: enfrentou ostracismo e, que me lembre, a vi apenas em um ou dois filmes. Um deles fazendo o papel de uma criadora de cavalos. O outro, parece, era uma cozinheira.

Nada de notável, nada que chamasse atenção. Na matéria à Istoé admitiu o preconceito dos americanos contra os latinos, que normalmente,disse, fazem papel de drogado ou empregado doméstico. Isso quando conseguem escalação para algum filme.

Braga lamentava não ser convidada a fazer novelas, especialmente porque não gosta de encenações teatrais, o que estreita muito o seu mercado. Falou sobre rugas e plásticas, falou de sua decadência, lembrando-me isso o filme O ocaso dos deuses, que conta a história de atriz do cinema mudo, em fim de vida e largada de lado pelos estúdios.

Ao que tudo indica Braga seguirá o mesmo caminho: descobrir-se como ser humano e saber que tudo passou.

Sim, no final disse que vai voltar aos Estados Unidos. Só não entendi porque.
..........
Imagem:
http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://miltonribeiro.opsblog.org/files/2009/07/sonia_braga_05.jpg&imgrefurl=http://miltonribeiro.opsblog.org/2009/07/11/porque-hoje-e-sabado-sonia-braga/&usg=__Ro_ddV5jImknXG718xpVVPGTZT8=&h=602&w=400&sz=31&hl=pt-BR&start=0&sig2=0b-Op8FtzaWKl7zO-YJkwg&zoom=1&tbnid=Uvn0uheEVIDkRM:&tbnh=125&tbnw=85&ei=S9-kTNHdJIK88gaKh_j4AQ&prev=/images%3Fq%3Dsonia%2Bbraga%26um%3D1%26hl%3Dpt-BR%26safe%3Doff%26client%3Dfirefox-a%26sa%3DN%26rls%3Dorg.mozilla:pt-BR:official%26biw%3D1024%26bih%3D425%26tbs%3Disch:10%2C114&um=1&itbs=1&iact=hc&vpx=456&vpy=58&dur=5356&hovh=276&hovw=183&tx=101&ty=154&oei=S9-kTNHdJIK88gaKh_j4AQ&esq=1&page=1&ndsp=14&ved=1t:429,r:10,s:0&biw=1024&bih=425


Sonia Braga - Gabriela

A volta do Pixador

O Pixador

Serra pede e ministro embaralha trabalho da Justiça

Democracia e manobra eleitoreira ou até a Folha acusa falta de ética dos tucanos
Emanoel Barreto

Ao contrário do que o senso comum dos políticos procura passar e impor, democracia não é um estado social consolidado, uma "coisa", uma realidade perfeita e maquínica, onde tudo funciona perfeitamente apenas porque se tem direito - obrigação  ao voto. Essa é uma compreensão vulgar e tosca. E, quando utilizada para iludir segmentos menos escolarizados, mal-intencionada.

Democracia é um processo, uma saudável utopia quando tal processoé regido por algo chamado ética. Democracia é também distribuição de renda, escolarização, acesso a gens e serviços, o Estado em suas manifestações fenomêmicas a serviço do social. É cidadania em compreensão plena. Democracia é a cidadania posta em prática.

Uma das manifestações do Estasdo é o Poder Judiciário, que não deve servir ao privado mas ao público.

Às vésperas da eleição surgiu essa coisa de exigir-se o uso de dois documentos para votar, como se não bastasse o título de eleitor ou outro documento e a conferência destes nos arquivos do TRE, facilmente acesível aos mesários graças à informatização. O propósito é descartar eleitores menos escolarizados, o que chamo aqui de "uso dos simples para confundir a sua cidadania".

Leia a matéria abaixo e você compreenderá. Compreenderá também como age a Folha, que ao noticiar essa manobra faz parecer que é um jornal apartidário. Segue o texto:

Após receber uma ligação do candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes interrompeu o julgamento de um recurso do PT contra a obrigatoriedade de apresentação dos dois documentos na hora de votar.


Serra pediu que um assessor telefonasse para Mendes pouco antes das 14h, depois de participar de um encontro com representantes de servidores públicos em São Paulo. A solicitação foi testemunhada pela Folha.

No fim da tarde, Mendes pediu vista, adiando o julgamento. Sete ministros já haviam votado pela exigência de apresentação de apenas um documento com foto, descartando a necessidade do título de eleitor.

A obrigatoriedade da apresentação de dois documentos é apontada por tucanos como um fator a favor de Serra e contra sua adversária, Dilma Rousseff (PT).

A petista tem o dobro da intenção de votos de Serra entre os eleitores com menor nível de escolaridade.

Após pedir que o assessor ligasse para o ministro, Serra recebeu um celular das mãos de um ajudante de ordens. O funcionário o informou que o ministro do STF estava do outro lado da linha.


Ao telefone, Serra cumprimentou o interlocutor como "meu presidente". Durante a conversa, caminhou pelo auditório onde ocorria o encontro. Após desligar, brincou com os jornalistas: "O que estão xeretando?"

Depois, por meio de suas assessorias, Serra e Mendes negaram a existência da conversa.


Para tucanos, a exigência da apresentação de dois documentos pode aumentar a abstenção nas faixas de menor escolaridade.

Temendo o impacto sobre essa fatia do eleitorado, o PT entrou com a ação pedindo a derrubada da exigência.

O resultado do julgamento já está praticamente definido, mas o seu final depende agora de Mendes.


Se o Supremo não julgar a ação a tempo das eleições, no próximo domingo, continuará valendo a exigência.

À Folha, o ministro disse que pretende apresentar seu voto na sessão de hoje.


Antes da interrupção, foi consenso entro os ministros que votaram que o eleitor não pode ser proibido de votar pelo fato de não possuir ou ter perdido o título.

Votaram assim a relatora da ação, ministra Ellen Gracie, e os colegas José Antonio Dias Toffoli, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Joaquim Barbosa, Carlos Ayres Britto e Marco Aurélio Mello. Para eles, o título, por si só, não garante que não ocorram fraudes. Argumentam ainda que os dados do eleitor já estão presentes, tanto na sessão, quanto na urna em que ele vota, sendo suficiente apenas a apresentação do documento com foto.

"A apresentação do título de eleitor não é tão indispensável quanto a do documento com fotografia", afirmou Ellen Gracie.


O ministro Marco Aurélio afirmou que ele próprio teve de confirmar se tinha consigo seu título de eleitor. "Procurei em minha residência o meu título", disse. "Felizmente, sou minimamente organizado."

A obrigatoriedade da apresentação de dois documentos foi definida em setembro de 2009, quando o Congresso Nacional aprovou uma minirreforma eleitoral.

O PT resolveu entrar com a ação direta de inconstitucionalidade semana passada por temer que a nova exigência provoque aumento nas abstenções.


O advogado do PT, José Gerardo Grossi, afirmou que a exigência de dois documentos para o voto é um "excesso". "Parece que já temos um sistema suficientemente seguro para que se exija mais segurança", disse.


Foto:Moacyr Lopes Junior/Folhapress


Morre o ator Tony Curtis

Quando a beleza dá, lentamente, lugar à morte
Emanoel Barreto

O ator Tony Curtis faleceu aos 85 anos em sua casa na cidade de Henderson, no Estado norte-americano de Nevada, informou nesta quinta-feira a emissora ABC News. A informação é do Estadão e segue completa abaixo. Mas o que me motivou a fazer a transcrição diz respeito a duas fotos que ilustram a matéria e demonstram a condição humana, a queda, o abismo. Primeiro as fotos, depois o texto do Estadão.




Ele morreu em sua cama, à meia-noite, segundo o administrador de seus negócios e porta-voz da família, Preston Ahearn, citado pela TV.

Bonito e talentoso, Curtis foi um dos grandes astros de Hollywood nos anos 1950 e também um conhecido playboy naquela época. Ele e se tornou famoso em grandes sucessos de bilheteria, como "Quanto mais Quente Melhor" e "A embriaguez do Sucesso".

Curtis desempenhou um papel memorável no clássico "Spartacus", em 1960, e foi indicado para o Oscar em 1958, por sua atuação em "Acorrentados". Atuou em mais de 140 filmes, mas parte de sua carreira foi prejudicada por problemas com cocaína e álcool.

Com mais de 50 anos de carreira e uma centena de filmes como protagonista, Curtis, cujo verdadeiro nome era Bernard Schwartz, nasceu em 3 de junho de 1925, em Nova York, em uma família de origem judaica.
Estudou interpretação na Academia de Arte Dramática de sua cidade natal e, em 1949, estreou em Hollywood com um papel de coadjuvante em "Baixeza".

Sua popularidade no cinema começou dois anos depois com "O Príncipe Ladrão" e protagonizou depois títulos como "Trapézio" (1956), "Acorrentados" (1958) e "Spartacus".


Uma de suas mais famosas interpretações seria "Quanto Mais Quente Melhor", na qual Billy Wilder contracenou Marilyn Monroe e Jack Lemon.

Curtis se casou em seis ocasiões, a primeira delas em 1951 com a atriz Janet Leigh, mãe de suas filhas Jamie Lee e Kelly Curtis, também atrizes.

Ele deixa a esposa, a modelo Jill Vandenberg, 45 anos mais nova do que ele.

Tony Curtis se despediu das telas em 2005 com uma colaboração na série televisiva "CSI". Nos últimos anos de vida, cultivou uma de suas grandes paixões, a pintura.

Em 2008, expôs uma coleção de 35 quadros nas lojas de departamento londrinas Harrods.


O ator sempre mostrou seu amor pelo cinema. "Continuo gostando do cinema porque é minha vida. Sou feito de celuloide", declarou, ao receber dez anos atrás um prêmio no Festival Internacional de Sitges (nordeste da Espanha).



A federação Nacional dos Jornalistas toma posição contra no golpe midiático. Abaixo, manifesto dos profissionais:

Em defesa dos jornalistas, da ética e do direito à informação


O conceito de golpe midiático ganhou notoriedade nos últimos dias. O debate é

público e parte da constatação de que setores da imprensa passaram a atuar de

maneira a privilegiar uma candidatura em detrimento de outra. É legítimo - e

desejável – que as direções das empresas jornalísticas explicitem suas opções

políticas, partidárias e eleitorais. O que é inaceitável é que o façam também fora


dos espaços editoriais. Distorcer, selecionar, divulgar opiniões como se fossem fatos não é exercer o jornalismo, mas, sim, manipular o noticiário cotidiano segundoresses outros que não os de informar com veracidade.


Se esses recursos são usados para influenciar ou determinar o resultado de uma
eleição configura-se golpe com o objetivo de interferir na vontade popular. Não se
trata aqui do uso da força, mas sim de técnicas de manipulação da
opinião pública. Neste contexto, o uso do conceito “golpe midiático” é
perfeitamente compreensível.


Este estado de coisas só acontece porque os jornalistas perderam força e importância

no processo de elaboração da informação no interior das empresas. Cada vez menos

jornalistas detêm o poder da informação que será fornecida à opinião pública. Ela
passa por uma triagem prévia já no seu processo de edição e aqueles que descumprem a
dita orientação editorial são penalizados. Também nunca conseguem atingir cargos de

direção que, agora, são ocupados por executivos que atendem aos interesses de

comitês, bancos associados, acionistas etc.


Esse estado de coisas não apenas abre espaço para que a mídia atenda a interesses
outros que não o do cidadão, como também avilta a profissão de jornalista, precariza

condições de trabalho e achata salários. A consequência mais trágica disso é a

necessidade de se adaptar ao “esquema da empresa” para garantir o emprego, mesmo em detrimento dos valores mais caros.


Para avançar nessa discussão é necessário estabelecer a premissa de que informar a
população sobre os desmandos do governo (qualquer deles) é dever da imprensa.

Orquestrar campanhas pró ou contra candidatos é abuso de poder. A linha divisória

entre esses campos é tênue e cabe ao jornalista, respeitando o profissionalismo e a

ética, estabelecer o limite tendo em conta o que é de interesse público.


Não podemos incorrer no erro de instaurar na cobertura de fatos políticos os erros
cometidos em outras áreas, ou seja, o pré-julgamento (que dispensa provas, pois o

suspeito está condenado previamente) e o jornalismo espetáculo (que expõe situações

de maneira emocional para provocar reações extremadas).


A ideia de debater e protestar contra esse estado de coisas resultou na realização
do ato em defesa da democracia e contra o golpismo

midiático realizado no auditório do Sindicato dos Jornalistas. A proposta surgiu em

conversa entre blogueiros, foi assumida pelo Centro de Estudos da Mídia Alternativa
Barão de Itararé, que procurou o Sindicato dos Jornalistas e este aceitou sediar o
evento.

A sociedade sabe que o local ideal para este debate é o Sindicato dos Jornalistas.

Não apenas porque os jornalistas são parte importante nesse processo, mas,

principalmente, pela tradição da entidade em ser um espaço democrático aberto às

diversas manifestações públicas e de interesse social.


O que está em discussão são duas concepções opostas, uma que considera a informação
um bem privado, passível de uso conforme interesses pessoais, e outra que entende a
ação como direito social, portanto, regulado por um “contrato social”,
exatamente como acontece com a saúde ou a educação.

Ter direito de resposta, garantir espaço para que o contraditório apareça,  impedir o monopólio da mídia, tornar transparente os mecanismos de outorga das
empresas de rádio e TV, destinar parte da verba oficial para pequenos veículos,
criar a rede pública de comunicação, regulamentar as profissões envolvidas com a

mídia, não são atos de censura, são movimentos em defesa da liberdade de expressão

e cidadania!


O grupo dos liberais quer, a qualquer custo, impedir que o conceito de direito
social seja estendido à informação. A confusão feita entre liberdade de opinião, de

imprensa, de informação, de profissão e o conceito de censura e de controle público

é intencional. Essa confusão é visível na argumentação utilizada pelo Ministro

Gilmar Mendes para acabar com a necessidade do diploma de jornalismo. O objetivo é

impedir que as ideias por trás das palavras sejam claramente entendidas pelo cidadão

e, assim, interditar qualquer reivindicação popular nesse campo.

A liberdade de imprensa é o principal instrumento do jornalista profissional. Não é propriedade dos proprietários
dos de comunicação. O verdadeiro ato em favor da liberdade de imprensa é
feito em defesa do jornalista e, por consequência, diminui o poder da empresa. O

problema é que, a exemplo do que escreveu George Orwell no livro 1984 quando criou

a novilíngua (que pretendia reduzir o vocabulário, eliminar sinônimos e fundir

palavras para diminuir a capacidade de pensamento), o conceito de liberdade de

imprensa foi virado pelo avesso e, uma vez apropriado pela empresa de comunicação,
passou a diminuir o papel do jornalista obrigando-o a se submeter às engrenagens do
poder empresarial. Não é por acaso que existe a frase, ao mesmo tempo trágica e

engraçada, de que apenas existe “liberdade de empresa”.

Não é por acaso que o debate sobre liberdade de imprensa e democratização da mídia

está presente na campanha eleitoral deste ano. Não é uma briga entre partidos ou

candidatos, é uma questão bastante difundida na sociedade e que exige
posicionamento público das autoridades. A Associação Nacional de Jornais - ANJ
está preparando um código de autoregulamentação para a imprensa que vem,

exatamente, no sentido de fazer algo para impedir que o Estado ou a sociedade

organizada o faça. Lembremos das palavras do escritor Giuseppe Tomasi di

Lampedusa, em O Leopardo, “mudar para continuar igual”.


O debate público precisa ser aprofundado e ele não será feito com preconceitos
ideológicos, mas, sim, a partir de análise apurada da realidade e das necessidades

da democracia que, entendemos, não se concretiza sem o chamado “contrato social” que

regra a atividade humana, impedindo que os mais fortes destruam os mais fracos.


Estamos clamando pela verdadeira liberdade de imprensa, pela ética profissional e

pelo direito do cidadão de informar e ser informado!


Brasília, 25 de setembro de 2010
Federação Nacional dos Jornalistas

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Josephine Baker
Al Caparra,. o gangster chic

Contra fatos não há lamentos

Folha tenta apagar o sol com a manchete
Emanoel Barreto 

Há uma regra básica no jornalismo que diz: "Jamais brigue com os fatos". E isso a Folha vem desobedecendo. Segue idêntico comportamento da Rede Globo com relação às Diretas Já. 

Então, a briga com os fatos era a negativa da existência do movimento de sociedade civil. A direção da Globo supunha que não noticiando as mobilizações, o grito das ruas, esta deixaria de existir.Veio afinal a render-se à realidade quando, dentro do movimento, surgiu outro movimento que era sintetizado pelo clamor: "O povo não é bobo; abaixo a Rede Globo." 

A Folha acompanha a  mesma tática de avestruz. E tenta de todas as formas negar a consolidada tendência de eleição de Dilma. A manchete da Folha é o seu lamento antrecipado. Pelo jeito, depois da apuração dos votos vai sair com  manchete  garantindo que Serra foi eleito e que este país vive só uma ilusão de óptica..

E aí, Serra voltou a falar com Pai Véi, o macumbeiro, para resolver sua vida. E aí, disse Pai Véi:

Pai Véi, o macumbeiro

Algumas considerações sobre Tiririca e a carnavalização

O Abestado no picadeiro de Brasília
Emanoel Barreto

Vejo na Folha: A Justiça Eleitoral de São Paulo rejeitou a denúncia oferecida pelo Ministério Público Eleitoral contra o palhaço Tiririca (PR) por causa do suposto analfabetismo do candidato.
O juiz Aloísio Sérgio Rezende Silveira, se baseou no entendimento do TRE (Tribunal Regional Eleitoral), durante o processo de registro de candidatura, de que não não havia qualquer causa de inelegibilidade, inclusive quanto à instrução mínima.

Agiu bem a Justiça. A presença de Tiririca no cenário político nacional já foi notícia até no Le Monde, de Paris, quando o jornal francês afirma que ele deverá ter uma votação "formidável", ajudando a eleger mais uns dois deputados do seu partido, o PR.

Tiririca será, na Câmara, poderosa presença da carnavalização da vida brasileira; metafórica presença do povo, pobrinho, a se contrapor às elites, aos grandes, aos bem-vestidos, aos sepulcros caiados. Será a figuração viva do Abestado, do homem comum, em meio ao happening dos falastrões e endinheirados. 


Ele é a contraface de tudo aquilo lá. O avesso do avesso do avesso  do avesso. Não, não será eloquente nem consciente do papel que representa; sequer vai perceber o quanto sua figura oriunda da grotesqueria causará impacto.


Sem dúvida, foi movido pelo oportunismo de embolsar uma boa nota no fim do mês. Se souber poupar, terá uma bela aposentadoria. 


Mas é importante a ascensão desse palhaço, não pelo que posse objetivamente fazer, mas como valor simbólico, como um tapa na cara dos bandidos de gravata, perfumados e podres. Ele viverá a farsa do poder como o escrachado, o malandro, o moleque, o Macunaíma se aproveitando da preguiça que enseba o plenário, os gabinetes, as farras, os roubos vestidos de decência.


No voto a Tiririca há uma forma de protesto bruto, regado a cachaça e a gritos de gol, galinha com farofa e arroto. Como Chacrinha, ele vem para confundir, não para explicar.

Agora, uma ligeira explicação a respeito da carnavalização. Visão que foge do senso comum a respeito do carnaval e da carnavalização diz o seguinte: 
1. Em seu livro, hoje clássico, e já traduzido para português, "Problemas da Poética de Dostoiewski", Mikhail Bakhtin lançou as bases da teoria crítica da carnavalização. 
 
Esta forma crítica de pesquisa veio dizer-nos que há textos literários que foram elaborados sob o signo da carnavalização. Esses textos mostram a cultura de um povo em seus efeitos cômicos e paródicos proporcionados pelo insconsciente social manifestados nos rituais de máscaras, no riso, na busca do grotesco, nas festas, nas orgias, no carnaval, nos rituais religiosos, etc. 

 
2. A carnavalização, segundo Bakhtin, pode ser um desvio e também uma inversão dos costumes consagrados, como fez a geração hippie, que sobrepôs o sacro e o profano, o velho e o novo, sem atender a certas normas de interdição social. A carnavalização é de alguma maneira o mundo às avessas e pode ter a leitura de uma parodização. 


3. A história nos mostra momentos de carnavalização. Esse mundo às avessas está na Idade Média, na pintura "O velho" de Breughel como na de Jerônimo Bosch e pode ser interpretado, conforme os casos, como desvio, como paródia, como estilização, como apropriação,como contra-estilo e até como contra-cultura, conforme já mostrou Affonso Romano Sant’Ana no capítulo "Carnavalização" do livro "Paródia, Paráfrase & Cia." publicado pela Ática, São Paulo(série Princípios), em 1985. 
 
O livro de Mikhail BAKHTIN, "Problemas da Poética de Dostoewski", saiu no Rio de Janeiro, pela Forense Universitária,em 1981. Quem estiver interessado na temática encontrará também em Nontgomery J. de VASCONCELOS, o capítulo "As funções da carnavalização na literatura”, inserida no livro "A Poética carnavalizada de Augusto dos Anjos". São Paulo, Editora Annablume, 1996, pp.29-50.Também Jorge SCHWARTZ, em "Um texto carnavalizado". In: Vanguarda e cosmopolitismo. São Paulo: Editora Perspectiva (Estudos 82),, 1983, pp.117-152, pode ajudar a pesquisa desta temática.

João Ferreira
outubro de 2001