sábado, 6 de dezembro de 2008

Foto: Thaís Emy Ohata
De como resolver as coisas num país, calando-se a palavra
Emanoel Barreto

Tempos difíceis - As coisas no País não estavam nada boas. A inflação campeava, o desemprego crescia e a violência tornava-se institucional. As pessoas não agüentavam mais e cresciam os protestos proporcionalmente à ascensão do descalabro. Os partidos de oposição, minoritários, pouco ou quase nada podiam fazer.

Insatisfeito com as mobilizações, atos públicos, passeatas, gritos e manifestações do povo desesperado, o Governo fez aprovar uma lei: por ela, ficava determinado que cada pessoa teria um limite máximo de palavras em seu repertório. E quanto mais se falasse mal do governo, mais o estoque de palavras iria se acabando, até que todos ficariam mudos. Claro, quem falasse a favor, ganharia bônus e até aumentaria o vocabulário, passando até a conhecer termos sofisticados, já pensou?

Sim: depois de mudo, previa a lei, ninguém poderia se comunicar usando aquele sistema dos surdos-mudos, lembra? Era pena de morte na certa. Quem quisesse experimentar, que tentasse. Todos se curvaram.

E assim, a lei entrou em vigor logo depois de ser aprovada. Em menos de seis meses todo o povo estava mudo. Até os bandidos ficaram sem poder falar. Os bandidos não gostavam da ação da polícia, que mesmo corrompida os atacava. E como os bandidos reclamavam, ficaram também mudos. Resultado: ninguém escapou, até que afinal o Governo sentiu-se satisfeito.

Mas conseqüências não-programadas logo se fizeram ouvir: como a comunicação dos surdos-mudos estava proibida e somente os gestos básicos, esses que a gente faz para chamar alguém ou dar adeus, não conseguem uma comunicação muito eficiente, instalou-se o caos.

As fábricas pararam, os bancos deixaram de funcionar e escolas, hospitais, lojas enfim, tudo desmoronou. Os únicos lugares que ainda funcionavam eram bares, boates, motéis e bordéis, onde a voz não é essencial. Nos bares e etc, os músicos, impedidos de cantar, tocavam e isso garantia o público. Ou seja: somente em ambientes de baderna as coisas funcionavam bem.

O Governo então compreendeu que não poderia mais conviver com aquela situação. Todos bêbados e sem trabalhar. Prestes a chegar à bancarrota, o Governo decidiu: revogue-se a lei do silêncio. Todos poderão falar. Mas, de agora em diante, estarão impedidos de pensar.

ZOORÓSCOPO

TARTARUGA - Em matéria de preguiça são imbatíveis. Portanto, os prenúncios indicam que jamais chegarão a ganhar dinheiro, a não ser em loterias ou jogos de azar. No trabalho serão excelentes incapazes; na vida, eternos sonolentos.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Eles querem matar a Amazônia
Emanoel Barreto

Veja só - A bancada ruralista tenta aprovar, com apoio do Ministério da Agricultura, proposta que libera a plantação de mudas de dendê na Amazônia e anistia todos os grandes agricultores que plantaram em áreas de preservação permamente até 31 de julho do ano passado.

A ação brutalizadora sobre a amazônia é reflexo do tipo da mentalidade que tem hegemonia nos patamares dirigentes da sociedade, seja do ponto de vista privado, seja da parte do Poder. Ou seja: uma compreensão estreita de que a natureza é um recurso, não um patrimônio da humanidade.

Nossa sociedade civil não é forte, é difusa e alienadiça, não tem porta-vozes suficientemente capazes de arregimentar a opinião pública para o crime de lesa-humanidade que está em curso. As conseqüências dessa ação predatória já se fazem funebremente sentir: aumento da temperatura, chuvas ácidas, degelo no pólo, destruição de rios e florestas.

Mentes voltadas somente para o capital e o lucro têm as rédeas do mundo e farão, sim, elas farão, do mundo um grande inferno. Lamentável, não?

...............

ZOORÓSCOPO

Beija-flor - É o zoosigno das mulheres belas, belíssimas; encantadoras fadas das mais lindas visões. Elas são alegres, sua presença reluz, tem tonalidades furta-cor nos cabelos e os olhos são meigos como a formosa dos cantares de Salomão. Mas, saibamos: podem ser, pela própria natureza do seu zoosigno, inconstantes, volúveis, voluntariosas. É um perigo uma mulher somente bela.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008


Cadeia para quem precisa de cadeia
Emanoel Barreto

A Folha informa - O ministro Tarso Genro (Justiça) comemorou nesta quarta-feira a decisão do Judiciário de condenar o banqueiro Daniel Dantas, do Opportunity, a dez anos de prisão por corrupção ativa. Sem entrar no mérito da decisão, Tarso afirmou que o país vive um momento de "harmonia" entre as instituições, que cumprem suas funções, sem diferenciar os denunciados. "O Brasil não estava acostumado a ver figurões [condenados]. E aqui não estou julgando se ele é culpado ou não", disse.

Mas, em nota, a defesa de Dantas afirmou já ter pedido a anulação do julgamento e que as provas são "fraudadas".


..........


A decisão do juiz Fausto de Santis, é reveladora de sua postura de magistrado que age segundo o que dele espera a sociedade. É preciso que alguém neste país, alguém com poder decisório de punir as elites, tome a decisão, e a ponha em prática, de mandar para a cadeia criminosos ricos.

O processo deverá demorar ainda, como é comum, quando gente de colarinho branco está metida com a Justiça. Mas, de alguma maneira, aplaudo a ação do juiz de Sanctis.

O Brasil cultiva uma cultura solidamente afixada a uma estrutura: a de que figurões são virtualmente impuníveis. Essa impunidade se transforma em impunibilidade, ou seja: impunidade diz respeito a que alguém, mesmo devendo ser punido, não o é, pela negligência ou cumplicidade da autoridade; a impunibilidade, decorrência reiterada da impunidade, coloca como que acima da lei aquele que a infringiu repetidamente.

Seria assim uma imunidade social, uma espécie de salvo-conduto, decorrente do status do autor de crimes. O caldo de cultura que privilegia as elites até nesse ponto é algo infamante que precisa ser eliminado. É preciso, sim, pôr na cadeia todos os criminosos. Todos.

..ZOORÓSCOPO

Burro - Zoosigno predominante na população brasileira, nossas previsões são funestas: trabalharás a vida inteira, sofrerás nas filas e amargarás o fardo da pobreza, da dor, da fome, do temor pelo dia seguinte.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

O lobo simpático e sua pele de cordeiro
Emanoel Barreto


Se o lobo tem pele de cordeiro, cara mansa, jeito meigo e cordial, tem calma, ó leigo viajante, que a fera não é feita de papel. Para fugir é preciso engenho e arte. Sutilezas de grande espertalhão.

Foge agora, quando ainda tens o tempo. Amanhã, estará a te atacar.E quando, por incauto, caíres na emboscada, lembra o conselho que antes te diziam: "É um lobo em pele de cordeiro." Mas será tarde, ó tolo desvairado. Os lobos, como ninguém, sabem ser os mais ternos e lindos cordeirinhos. E como mordem.

..........

...ZOORÓSCOPO

Abelha - Zoosigno das pessoas que são equilibradas: sabem trabalhar, mas também divertir-se, viajar. Podem parecer inconstantes, mas, na verdade, são apenas bastante ativos. Ou então, estão viajando. São corretos, prestativos, cumpridores de seus deveres. Mas, se são explorados ou ofendidos, ninguém se engane: o abelhinano sabe como ninguém se defender. Previsão de vida: saberão gozar das delícias do mel, pois trabalharam muito para ter esse direito.