domingo, 13 de dezembro de 2009

Foto: AFP
O tabefe em Berlusconi e o fim da paciência do povo
Emanoel Barreto

A agressão sofrida pelo primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, à parte a questão do ato em si, como atitude de repúdio inapropriada, traz, em sua força discursiva, mensagem bastante vigorosa: há um limite para que se desrespeite, se humilhe e se ofenda o povo. As elites precisam compreender isso, ao encenar sua farsa de democracia.

O engodo, a mentira repetida dia após dia, ao contrário do que defendia Goebbels, não consegue se impor definitivamente como verdade. Berlusconi representa o que há de pior no pensamento neoliberal. Diariamente tem sido exposto como literalmente um vilão, manipulador e aético. Mesmo questionável a agressão, não o são os motivos que a ela levaram.

Os corruptos, como os há no Brasil, não podem ficar impunes. Vide o caso Arruda e os protestos diários. Quanto a Berlusconi, o golpe recebido é índice, ponta de ideberg a apontar as indignidades gerais impostas ao mundo.
Como exemplo, lembremos que as elites estão destruindo o planeta. Guiadas pelo perverso instinto do lucro a qualquer preço, negaceiam medidas para conter o aquecimento. Sejam as elites do Ocidente, sejam as da China, por exemplo. Elite é sempre elite, seja na democracia formal seja nas ditaduras.

O tabefe é bastante sintomático da insatisfação popular; na Itália ou em Brasília. E se essa insatisfação é difusa, há os momentos em que explode, lá e acá.

Kennedy, em discurso dúbio, já dizia: "Se a sociedade livre não conseguir ajudar os muitos que são pobres, não poderá igualmente salvar os poucos que são ricos."

A frase é da época da Guerra Fria. É um pronunciamento bifronte: a "sociedade livre" são exatamente os expoentes do capital, cujos desmandos terminam por colocar em xeque, em processo de engenharia social reversa, os pressupostos ideológicos desse mesmo capitalismo. Kennedy sabia o que estava dizendo...



Um comentário:

clotildetavares disse...

Mano velho, aqui sou eu sua amiga, morta de saudadee. Faça contato!